Abas primárias

autor

Nascido no Ceilão (atual Sri Lanka) de família tâmil, o antropólogo Stanley Jeyaraja Tambiah (1929-2014) iniciou sua trajetória acadêmica nas áreas de sociologia e economia. Fluente em cingalês, inglês e tâmil, graduou-se na Universidade do Ceilão (1951) e obteve o doutorado em sociologia na Universidade de Cornell (1954), ambas no Sri Lanka. Foi antropólogo da UNESCO na Tailândia (1960-1963) e integrou os quadros acadêmicos da Universidade de Cambridge como lecturer do King’s College (1963-1972). Em seguida (1973-1976) teve uma breve passagem como docente na Universidade de Chicago, acabando por se fixar permanentemente na Universidade de Harvard (1976-). Ainda que sociólogo de formação, Tambiah manteve contato estreito e permanente com a antropologia, sendo sua tese de doutorado (cujos argumentos vêm a público em artigo de 1957), um esforço de síntese entre as duas áreas. A transição mais efetiva para a antropologia deu-se durante uma pesquisa de campo sobre organização social e parentesco no Sri Lanka, onde percebeu as limitações do survey como metodologia de coleta de dados e as possibilidades que a etnografia oferecia para revelar os nexos e sentidos das inter-relações sociais.

A trajetória dos temas de pesquisa do autor foi traçada pelas primeiras etnografias que realizou no Sri Lanka e na Tailândia. Ao tomar contato com a vida rural desses países, coletou amplo material sobre aspectos da organização social, parentesco, economia agrária, posse de terra e rituais. É nesse contexto que passa a dedicar-se aos estudos de religião, concentrando suas pesquisas nos monastérios das aldeias. Suas preocupações não estavam centradas apenas nos rituais, na magia e na religião, mas também nas relações entre os monges e as populações locais, assim como nos conflitos étnicos e políticos; após a independência do Sri Lanka, em 1948, o país viveu uma onda de revivalismo cingalês, que reivindicava uma identidade budista e nacionalista em detrimento da minoria tâmil. A guerra civil desencadeada pela questão tâmil-cingalesa tornou-se uma preocupação teórica e política central para Tambiah, que buscou entender o budismo nas aldeias enquanto uma religião popular. Desde então, procurou pensar a religião em seus aspectos políticos e rituais, especialmente quando ligados a ordens políticas mais amplas, como a nação.

No começo de sua temporada em Cambridge (1963), Tambiah toma contato com as ideias estruturalistas propagadas pelo antropólogo britânico Edmund Leach (1910-1989), através do qual conhece o estruturalismo de Claude Lévi-Strauss (1908-2009). Essa influência o inspirará a escrever sobre o tema das classificações, como no trabalho Animals are good to think and good to prohibit (1969). O antropólogo britânico Edward E. Evans-Pritchard (1902-1973) e o linguista John Langshaw Austin (1911-1960) são outras referências fundamentais para as reflexões de Tambiah sobre linguagem e ritual no texto Form and Meaning of Magical Acts (1985).

Um de seus mais célebres estudos é o ensaio The Magical Power of Words (1968), fruto de uma comunicação proferida na London School of Economics, durante um evento que debateu o legado teórico do antropólogo britânico Bronislaw Malinowski (1884-1942) para a antropologia. Neste ensaio, ele desenvolve uma reflexão crítica sobre magia e ritual, duas noções consagradas na antropologia, a partir dos conceitos de magia simpática e por contágio, ambas propostas pelo antropólogo britânico James Frazer (1854-1941), e desenvolvidas por Roman Jakobson (1896-1982) no ensaio Two Aspects of Language and Two Types of Aphasic Disturbance (1956).

Neste ensaio emblemático, o autor articula o material etnográfico a uma perspectiva pragmática sobre a linguagem a partir das reflexões do filósofo John Austin e da leitura crítica de textos e autores clássicos da antropologia. Seu objetivo é mostrar a eficácia da linguagem na ação ritual, mostrando que ela não difere da linguagem usada no cotidiano, exceto pela maneira dramatizada e intensificada com que é mobilizada. Dessa maneira, o ritual revelaria – em sua expressão intensificada – o que é usual em outras situações sociais. Ao mesmo tempo, o autor entende que ritual e cosmologia se conectam através desses atos performativos, atualizando a distinção entre forma e conteúdo, ação e pensamento, ou entre langue e parole, nos termos de Ferdinand de Saussure (1857-1913). O modo como o autor elaborou suas reflexões sobre a eficácia simbólica do ritual iluminou diversos campos de pesquisa antropológico, como os de ritos, rituais e teatro, tendo um impacto notável na Antropologia da Performance em geral e no Brasil, em particular.

Stanley Tambiah

t
data de publicação
02/05/2016
autoria

Helena de Morais Manfrinato

palavras chave
ação, magia, performance, Estados Unidos
bibliografia

TAMBIAH, Stanley J., “Continuidade, integração e horizontes em expansão”, Entrevista à Mariza Peirano. Tradução Kátia Maria Pereira de Almeida. Mana, 3 (2), 1997, p. 199-219


TAMBIAH, Stanley J. & RYAN, Bruce, “Secularization of family values in Ceylon”, American Sociological Review, vol. 22, n. 3, 1957, p. 292-299


TAMBIAH, Stanley J., “The structure of kinship and its relationship to land possession and residence in Pata Dumbara, Central Ceylon”, Journal of the Royal Anthropological Institute, vol. 88, n.1, 1958, p. 21-44.
TAMBIAH, Stanley J. & SARKAR, N., K., Colombo, Ceylon University Press, 1957.
TAMBIAH, Stanley J., “Poliandry in Ceylon” In: Von Furer Haimendorf (org.), Caste and kin in Nepal, India and Ceylon, New York, Asia Publishing House, 1966.
TAMBIAH, Stanley J.,“Agricultural extension and obstacles to improve agriculture in Gal Oya peasant colonization scheme”, Proceedings of the Second International Conference of Economic History, Aix-en Provence, 1962.
TAMBIAH, Stanley J., Leveling Crowds. Ethnonationalist conflicts and collective violence in South Asia, Berkeley, University of California Press, 1996.
TAMBIAH, Stanley J., Buddhism and the spirit cults in northeast Thailand, Cambridge, Cambridge University Press, 1970.
TAMBIAH, Stanley J., World Conqueror and World Renouncer. A Study of Religion and Polity in Thailand Against a Historical Background, Cambridge, Cambridge University Press, 1976.
TAMBIAH, Stanley J., “The galactic polity: the structure of traditional kingdoms in Southeast Asia” In: S. Freed (dir.), Anthropology and the climate of opinion, New York, Annals of the New York academy of sciences, vol. 293, 1977 (In: Culture, thought and social action, Cambridge, Mass., Harvard University Press, 1985).
TAMBIAH, Stanley J., The buddhist saints of the forest and the cult of amulets. A study in charisma, hagiography, sectarianism and millenial Buddhism, Cambridge, Cambridge University Press, 1984.
TAMBIAH, Stanley J., “Animals Are Good to Think and Good to Prohibit”, Ethnology, 8(4), 1969, p. 423-459.
TAMBIAH, Stanley J., Magic, science, religion and the scope of rationality (The Lewis Henry Morgan Lectures 1984), Cambridge, Cambridge University Press, 1990.
TAMBIAH, Stanley J., Culture, thought and social Action. An anthropological perspective, Cambridge, Mass., Harvard University Press, 1985.
TAMBIAH, Stanley J., Sri Lanka: ethnic fratricide and the dismantling of democracy, Chicago, The University of Chicago Press, 1986.
TAMBIAH, Stanley J., Buddhism betrayed? Religion, politics and violence in Sri Lanka, Chicago, University of Chicago Press, 1992.
JAKOBSON, Roman. “Two Aspects of Language and Two Types of Aphasic Disturbance” In: R. Jakobson e M. Halle, Fundamentals of Language, The Hague, Mouton, 1956.
PEIRANO, Mariza (org), O dito e o feito: ensaios de antropologia dos rituais, Rio de Janeiro,  Relume-Dumará/  Núcleo de Antropologia da Política/UFRJ, 2002.