grande divisor

Sociedade contra o Estado - Pierre Clastres

A noção de sociedade contra o Estado é desenvolvida pelo filósofo e etnólogo francês Pierre Clastres (1934-1977) nos escritos reunidos em A sociedade contra o Estado, 1974 e Arqueologia da violência (1980). Por meio dela, o autor refuta a ideia de que a evolução das sociedades deve ser medida pela presença ou ausência do Estado ou por um maior, ou menor grau, de centralização de poder, dirigindo duras críticas ao grande divisor entre sociedades com e sem poder, corroborado por diferentes modelos de análise política como, por exemplo, os de Meyer Fortes (1906-1983) e Edward Evan Evans-Pritchard (1902-1973) na obra African Political Systems (1940). A Antropologia Política praticada até então, segundo P. Clastres, analisava as sociedades ditas arcaicas sob a ótica da filosofia política euro-americana, pensando o poder político em termos de coerção e subordinação; ficavam excluídas outras maneiras de pensar o poder que não estivessem de acordo com o pressuposto de um sentido único de história e com as definições correntes de poder e política, sinônimas de poder coercitivo e de Estado, respectivamente. Ao procurar a centralização do poder nas sociedades ditas primitivas, classificando-as como sem Estado, sem escrita, sem história e sem economia, tal antropologia teria produzido, segundo o autor, um discurso da “falta”, fazendo tais sociedades aparecerem nas análises, como haviam figurado antes nos relatos de viajantes e cronistas, como constituídas por “gentes sem fé, sem lei, sem rei”.

Contra uma razão de tipo etnocêntrico, cara à ciência, P. Clastres pensa os fundamentos do poder e suas transformações, debruçando-se sobre a dimensão política das sociedades indígenas e, mais do que isso, propondo o que ele chama de uma “revolução copernicana”, com a alteração do centro de gravidade da antropologia pela retirada da noção ocidental do político do coração da análise. Em seu projeto de antropologia política, o antropólogo defende o que denomina uma arqueologia crítica da linguagem antropológica, amparada na revisão conceitual do pensamento político, e que considera seriamente as escolhas políticas de sociedades outras, mesmo quando estas revelam ser a negação ou recusa das escolhas ocidentais. Trata-se de deixar de emitir um discurso sobre as sociedades não ocidentais, buscando estabelecer um diálogo com elas.

Partindo da literatura americanista, P. Clastres mostra que o poder coercitivo, típico de sociedades com Estado, é apenas uma modalidade particular do poder dentre outras, o que o faz alargar a noção de política e a entender o poder, coercitivo ou não, como universal e imanente a todas sociedades. Tal pressuposto termina por positivar a ideia mesma de sociedade primitiva, não mais vista em função da suposta ausência de poder, mas como dotada de formas não-coercitivas de ação política; o modo de ser político dessas sociedades, sua intencionalidade de organização eminentemente política, implica a recusa da centralização do poder coercitivo exercido por uma figura ou órgão separado da sociedade o que, por sua vez, poderia conduzir a uma divisão social entre dominantes e dominados. O antropólogo percorre caminho semelhante ao refutar, contra as correntes neo-evolucionistas da época, a suposta ausência de economia nessas sociedades, consideradas miseráveis em função da economia de subsistência e arcaicas, pela carência de inovações tecnológicas; argumenta serem elas “essencialmente igualitárias”, recusando qualquer força transcendente que imponha a produção de excedentes visando o enriquecimento de um pequeno grupo. Nessa inversão das interpretações correntes, reside a rotação de perspectivas empreendida por Clastres: as sociedades ditas primitivas deixam de ser pensadas a partir do grande divisor,  sociedades com e sem Estado, e passam a ser reconhecidas como sociedades contra o Estado, contrapondo-se àquelas assentadas na relação de comando-obediência. Nesse sentido, são também sociedades contra a economia, uma vez que o poder político é compreendido pelo antropólogo como sendo anterior à economia, em todas as sociedades. 

Pierre ClastresA filosofia política contra o Estado proposta por P. Clastres assenta-se em dois mecanismos principais: de um lado, na chefia indígena, esvaziada de poder coercitivo e considerada um aparelho interno contra a concentração do poder; de outro, no dispositivo da guerra, máquina de dispersão centrífuga que recusa o mecanismo de unificação e a concentração do poder, possibilitando que as sociedades indígenas permaneçam demográfica e territorialmente restritas, condição básica para sua indivisibilidade. A sociedade primitiva, segundo ele, é a sociedade contra o Estado na mesma medida em que é a sociedade para a guerra. O profetismo tupi-guarani analisado por Hélène Clastres, por sua vez, é reconhecido como uma máquina profética contra a centralização que se opõe à ameaça do fortalecimento dos chefes de guerra, ao mesmo tempo que desponta como a prefiguração do Estado; isto porque os profetas, por meio de suas belas e subversivas palavras, logram convencer numerosos grupos, aliados e inimigos, a caminharem, sob sua liderança, em longas migrações em busca da terra sem mal. O poder para P. Clastres não é visto como representação, mas como exercício que cria e sustenta o espaço coletivo, construindo-se por meio de figuras como o chefe, o guerreiro e o profeta. 

Estudos posteriores acerca das sociedades ameríndias, motivados pela obra do “intempestivo” etnólogo francês, como ficou conhecido, passaram também a pensar essas sociedades além da órbita do Estado, recusando um vocabulário tomado de realidades outras, e inspirando-se nas próprias formas políticas americanas. De acordo com os antropólogos brasileiros Tânia Stolze Lima e Marcio Goldman, a análise clastreana da guerra é uma das primeiras a não reduzir as sociedades ameríndias a grupos fechados, fazendo aparecer as alianças políticas que interligam grupos locais e formam redes de relações. Tal obra pode ser vista também, segundo Eduardo Viveiros de Castro, como uma intuição da “política da multiplicidade”, característica das populações ameríndias, marcadas em seu modo de ser pela metafísica da predação e pelo perspectivismo, e podendo ser considerada ainda, como uma “cosmologia contra o Estado”.

Como citar este verbete:
ARANHA, Aline & FREIRE, Gabriela. 2016. "Sociedade contra o Estado - Pierre Clastres". In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia. Disponível em: http://ea.fflch.usp.br/conceito/sociedade-contra-o-estado-pierre-clastres>

autoria

Aline Aranha e Gabriela Freire

bibliografia

ABENSOUR, Miguel & KUPIEC, Anne (org), Pierre Clastres, Paris, Sens & Tonka Editeurs, 2011

BARBOSA, Gustavo, “A socialidade contra o Estado: a antropologia de Pierre Clastres”, Revista de Antropologia (USP), vol. 47, nº 2, 2004, p. 529-76

CLASTRES, Pierre, La société contre l’Estat: recherches d’anthropologie politique, Paris, Éditions de Minuit, 1974 (Trad. Bras. Theo Santigo. São Paulo, Cosac Naify, 2003)

CLASTRES, Pierre, Recherches d’anthropologie politique, Paris, Seuil, 1980 (Trad. Bras. Paulo Neves. São Paulo, Cosac Naify, 2004)

CLASTRES, Hélène, La terre sans mal, Paris, Seuil, 1975 (Trad. Bras. Renato Janine Ribeiro. São Paulo, Brasiliense, 1978)

DELEUZE, Gilles & GUATARRI, Félix, Milles plateaux, Paris, Minuit, 1980 (Trad. Bras. Ana Lúcia de Oliveira e Lúcia Cláudia Leão. São Paulo, Editora 34, 2004)

LIMA, Tânia S. & GOLDMAN, Marcio, “Pierre Clastres, etnólogo da América”, Sexta Feira, nº 6, 2001, p. 291-311

LIMA, Tânia S. & GOLDMAN, Marcio,  “Prefácio” In: Pierre Clastres, A Sociedade contra o Estado, São Paulo, Cosac Naify, 2003

PERRONE-MOISÉS, Beatriz, “Bons chefes, maus chefes, chefões: excertos de filosofia política ameríndia”, Revista de Antropologia (USP), vol. 54, nº 2, 2011, p. 857-883

SZTUTMAN, Renato, “Religião nômade ou germe do Estado? Pierre Clastres e Hélène Clastres e a vertigem tupi”, São Paulo, Novos Estudos Cebrap, vol. 83, 2009, p.129-157

SZTUTMAN, Renato, “Le vertige des prophètes te des guerriers amérindiens: déploiement de quelques paradoxes clastriens” In: Miguel Abensour e Anne Kupiec (org), Pierre Clastres, Paris, Sens & Tonka Editeurs, 2011, p. 193-210

SZTUTMAN, Renato, O profeta e o principal: a ação política ameríndia e seus personagens, São Paulo, EDUSP, 2012

SZTUTMAN, Renato, “Metamorfoses do Contra-Estado: Pierre Clastres e as Políticas Ameríndias”, São Paulo, Ponto Urbe, v. 13, 2013 (http://pontourbe.revues.org) 

VIVEIROS DE CASTRO, Eduardo, “O intempestivo, ainda” In: Pierre Clastres,  Arqueologia da violência, Trad. Bras. Paulo Neves. São Paulo, Cosac & Naify, 2011

inicial do verbete
título do índice alfabético
Sociedade, Estado

Manifesto ciborgue

O Manifesto ciborgue -­ ciência, tecnologia e feminismo­ socialista no final do século XX (1985) é um ensaio escrito pela bióloga e filósofa norte-americana Donna J. Haraway (1944). Com título que alude ao Manifesto Comunista (1848) de Karl Marx e Friedrich Engels, o Manifesto Ciborgue integra um conjunto de posicionamentos públicos do feminismo socialista estadunidense acerca dos rumos dos movimentos sociais de esquerda desse país na década de 1980. Trata-se de uma obra central para a compreensão da crítica feminista da ciência proposta pela autora, que reverbera em suas obras posteriores, entre as quais Primate Visions: gender, race, and nature in the world of modern science (1990); Simians, Cyborgs and Women: The Reinvention of Nature (1991); The Companion Species Manifesto: Dogs, People, and Significant Otherness (2003) e When Species Meet (2008).

Em diálogos com o feminismo norte-americano, em especial com o feminismo negro e latino, com a economia, com obras literárias e com a biologia – área na qual a autora é formada, Haraway produz um texto polêmico ao propor uma postura feminista apta a refletir sobre a influência da ciência e da tecnologia do final do século XX sobre as relações sociais. Para a autora, tanto os feminismos socialistas e marxistas quanto os feminismos radicais conceberam a categoria mulher a partir do que seria considerado comum a todas elas, por meio da “política da identidade”. Haraway sugere uma ruptura com tal política para dar lugar a uma coalizão capaz de considerar as diferenças e as afinidades entre mulheres, denominada por ela “política de afinidades”. O ciborgue, criatura formada por fusões entre máquina e organismo, mistura de realidade social e ficção, não constituindo um corpo sólido com componentes definidos, seria uma metáfora dessa nova política em um mundo marcado de forma crescente pelo binômio ciência e tecnologia, no qual as fronteiras entre humano e animal, organismo e máquina, e entre físico e  não-físico mostram-se fluidas.

Essa confusão de fronteiras é necessária para que a autora repense as questões de gênero, de sexualidade, raça e tecnociência, uma vez que a passagem das tradicionais dominações hierárquicas para um sistema de dominação baseado na informática global coloca em cena novas formas de poder e, com elas, novas configurações e significados de sujeitos. Haraway mostra como o desenvolvimento científico e tecnológico está presente no mundo do trabalho, na alimentação, na produção do conhecimento e nas mais diversas dimensões da vida. Nesse novo enquadramento histórico, seriam desfeitos pela tecnologia alguns pressupostos científicos e políticos que por muito tempo nortearam o pensamento ocidental e serviram à dominação das mulheres, das “pessoas de cor” (“people of color, no original) dos trabalhadores e animais; por exemplo, os dualismos mente/corpo, natureza/cultura, macho/fêmea e organismo/máquina. Essas dicotomias anteriormente rígidas seriam então desmanchadas, dando espaço a conceitos maleáveis e passíveis de reconstruções, produzindo alternativas às tradicionais concepções de corpos e modos de vida a partir da apreensão da tecnologia no cotidiano.  Esse processo de remodelamento de corpos e de relações mostra como os corpos são construídos e podem ser desmontados, colocando à prova sua suposta naturalidade e revelando suas possibilidades políticas. Daí a necessidade das mulheres apreenderem e se apropriarem da linguagem da tecnociência, tendo como inspiração a figura do ciborgue, de modo a contestar esses dualismos clássicos e alterar as relações de classe, raça e gênero, em uma tentativa de superação das dominações e da construção de um mundo a favor das diversidades.

Ao analisar as relações dicotômicas entre natureza e tecnologia, e o lugar da mulher no interior desse cenário, a política ciborgue proposta no manifesto de Haraway pretende ampliar o conceito de biopolítica de Michel Foucault (1926-1984) pela elucidação das complexas conexões entre cibernética e corpos e por meio da visibilidade conferida a inúmeros arranjos possíveis de subjetividade e de organismos. Tal contribuição torna o Manifesto Ciborgue fundamental para o pensamento pós-feminista, ao lado das obras de Judith Butler (1990), Teresa de Laurentis (1997), Judith Halberstam (1998), Audre Lorde (1984) Gloria Andalzua (1987) e Marie-Hélène Bourcier (2001). O ciborgue de Haraway contribuiu também para a problematização contemporânea das questões de gênero e sexualidade propostas pelo movimento queer, reverberando naquela que seria uma das obras mais emblemáticas acerca do tema, o Manifesto Contrassexual: práticas subversivas de identidade sexual (2000) de Paul Beatriz Preciado (1970). Desde a concepção de ciborgue cunhada por Haraway em seu Manifesto, a preocupação política com a ciência e tecnologia é reconfigurada ao longo de sua obra, alimentando diálogos constantes com os debates da Antropologia da Ciência que mobilizam, por exemplo, Bruno Latour (1947) e Marilyn Strathern (1941).

Como citar este verbete:
FONTGALAND, Arthur & CORTEZ, Renata. 2015. "Manifesto ciborgue". In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia. Disponível em: http://ea.fflch.usp.br/obra/manifesto-ciborgue>

autoria

Arthur Fontgaland e Renata Cortez

bibliografia

ANDALZUA, Gloria, Borderlands/La Frontera: The New Mestiza, San Francisco, Spinster; Aunt Lutte, 1987

BUTLER, Judith, Gender Trouble: Feminism and the Subversion of Identity, London & New York, Routledge, 1999

FOUCAULT, Michel, Histoire de la sexualité. Tome I. Paris, Gallimard, 1976 (Trad. bras. Maria Thereza da Costa Albuquerque e J. A. Guilhon Albuquerque, Rio de Janeiro, Edições Graal, 1998)

GORDON, Richard, “The computerization of daily life, the sexual division of labor, and the homework economy”, Silicon Valley Workshop Conference, University of California at Santa Cruz, 1983

GROSSMAN, Rachel, “Women’s place in the integrated circuit”, Radical America, v. 14, n. 1, 1980, p. 29-50

HALBERSTAM, Judith, Female Masculinity. Durham, Duke University Press, 1998

HARAWAY, Donna J., “A Cyborg Manifesto: Science, Technology, and Socialist-Feminism in the Late Twentieth Century” In: Simians, Cyborgs, and Women: The Reinvention of Nature, New York, Routledge, 1991 (Trad. Bras. Tomaz Tadeu.  In: HARAWAY, Donna; KUNZRU, Hari; TADEU, Tomaz, Antropologia do Ciborgue: As vertigens do pós-humano, Belo Horizonte, Autêntica, 2009, 2a ed.)

HARAWAY, Donna J., Primate Visions: gender, race, and nature in the world of modern science, New York and London, Routledge, 1990

HARAWAY, Donna J., Simians, Cyborgs and Women: The Reinvention of Nature, New York, Routledge, 1991

HARAWAY, Donna J., The Companion Species Manifesto: Dogs, People, and Significant Otherness, Chicago, Prickly Paradigm Press, 2003

HARAWAY, Donna J., When Species Meet, Minneapolis, University of Minnesota Press, 2008

Hutchinson, Evelyn, The Kindly Fruits of the Earth: Recollections of an Embryo Ecologist, New Haven, CT, Yale University Press, 1979

KING, Katie, “The pleasure of repetition and the limits of identification in feminist science fiction: reimaginations of the body after the cyborg”, trabalho apresentado em California American Studies Association, Pomona, 1984

KING, Katie, “The situation of lesbianism as feminism’s magical sign: contests for meaning and the U.S. women’s movement, 1968-72”, Communication. v. 9, n. 1, 1986, p. 65-92

LATOUR, Bruno, Nous n'avons jamais été modernes. Essai d'anthropologie symétrique. Paris, La Découverte, 1991. (Trad. Bras. Carlos Irineu da Costa. Rio de Janeiro, Editora 34, 1994)

LATOUR, Bruno, Pandora’s Hope: Essays on the Reality of Science Studies. Cambridge, MA, Harvard University Press, 1999 (Trad. Bras. Gilson César C. de Sousa. Bauru, EDUSC, 1999)

LAURETIS, Teresa de, “Feminist studies/crítical studies: issues, terms, and contexts” In: Feminist Studies/Critical Studies,  Bloomington, Indiana University Press, 1986

LORDE, Audre, Sister outsider,  Trumansberg (NY), Crossing, 1984

MARX, Karl & ENGELS, Friedrich. Manifest der Kommunistischen Partei, 1848 (Trad. Bras. Marcus Vinicius Mazzari.  Estudos avançados, v.12, n.34. São Paulo, set-dez, 1998)

MORAGA, Cherríe, Loving in the War Years, South End Press, 1983

MORAGA, Cherríe & ANZALDÚA, Gloria (orgs), This Bridge Called My Back: Writings by Radical Women of Color, Watertown, Persephone, 1981

PRECIADO, Paul Beatriz,  Manifeste Contra-sexuel. Paris, Ballard, 2000 (Trad. Bras. Maria Paula Gurgel Ribeiro. São Paulo, n-1 Edições, 2014)

SANDOVAL, Chela, Yours in struggle: women respond to racism, a report on the National Women’s Studies Association, Oakland, CA, Center for Third World Organizing, [s. d.]

SANDOVAL, Chela,  “New Sciences: Cyborg Feminism and the Methodology of the Oppressed” In: Chris Hables Gray (ed.),The Cyborg Handbook, New York, Routledge, 1995

STRATHERN, Marilyn, Reproducing the future: Essays on anthropology, kinship and the new reproductive technologies, Manchester, Manchester University Press, 1992

inicial do verbete
título do índice alfabético
Manifesto Ciborgue