instituições
Hutukara Associação Yanomami

A Hutukara Associação Yanomami (HAY) é uma organização sem fins lucrativos que congrega os habitantes da Terra Indígena Yanomami (TIY). Criada em 2004, ela é uma das mais atuantes organizações indígenas no Brasil, exercendo um papel de articulação política e gerindo projetos voltados à proteção territorial (sobretudo frente à invasão do garimpo ilegal), manejo etnoambiental, saúde, formação, pesquisa e outras iniciativas com parcerias nacionais e internacionais envolvendo organizações públicas e civis.

A criação da HAY (2004) deu-se em uma assembleia dos Yanomami na comunidade de Watorikɨ, no Amazonas, onde vive um de seus líderes, o intelectual e xamã Davi Kopenawa (1956-). Assembleias que reuniam lideranças yanomami aconteciam desde a década de 1990, na Terra Indígena que foi demarcada e homologada em 1992. Atualmente, a Assembleia Geral é convocada a cada quatro anos. Desde sua fundação, Davi Kopenawa vem sendo reeleito como presidente da Associação, e seu filho Dario Vitório Kopenawa foi escolhido para ocupar o cargo de vice-presidente, em 2022. O Estatuto da HAY define cargos e competências da diretoria e de coordenadores de setores.

© Fiona Watson / Survival International. Davi Kopenawa discursa para a 7a Assembleia da Hutukara, 2012. Reprodução gentilmente autorizada.© Fiona Watson / Survival International, 2012.

De acordo com Kopenawa, o nome Hutukara foi escolhido para a Associação pelos xapuri thëpë, os xamãs yanomami. Em diferentes contextos, a palavra hutukara adquire sentidos diversos com base na cosmologia yanomami. Hutukara é o céu que desabou nos primeiros tempos, constituindo o plano em que nos encontramos, o da urihi, a terra-floresta, um ser vivo povoado de viventes visíveis e invisíveis. É, portanto, o nome xamânico da terra atual que evoca o tempo-espaço primordial. Os xapuri thëpë ainda podem usar o termo hutukara para se referir ao céu atual, conhecido também como hutumosi. Em um esforço de tradução para a linguagem filosófica e ecológica, o termo hutukara é associado ao que os não indígenas chamam de universo, mundo ou planeta Terra. A atribuição deste nome explicita o papel da Associação como defensora da terra-floresta e de seus povos.

A criação de associações de Yanomami, a começar pela Associação Yanomami do Rio Cauaburis e Afluentes (AYRCA), fundada em 1998, se insere no contexto das mudanças de perfil do movimento indígena, após a promulgação da Constituição Federal de 1988. Os direitos reconhecidos na Carta Magna corroboraram a multiplicação de organizações bem como o fortalecimento de ONGs com pautas indigenistas e/ou ambientais, estabelecendo redes de cooperação que promoveram o preparo de lideranças indígenas para lidar com o mundo das políticas e dos projetos. Entre as referências importantes para o processo que culminou na fundação da HAY, Davi Kopenawa destaca especialmente Ailton Krenak (1953-) e Álvaro Tukano (1953-), que na década de 1980 coordenavam a União das Nações Indígenas (UNI), as lideranças do Conselho Indígena de Roraima (CIR), então denominado Conselho Indígena do Território de Roraima (CINTERR) e algumas organizações indigenistas. Entre elas, distingue-se a Comissão pela Criação do Parque Yanomami (CCPY, posteriormente denominada Comissão Pró-Yanomami), entidade fundada em 1978 pela fotógrafa Cláudia Andujar (1931-), pelo antropólogo Bruce Albert (1952-) e pelo missionário Carlo Zacquini (1937-), que tinha entre seus fins a criação de um Parque Indígena Yanomami, a proteção do território e a defesa das comunidades indígenas. Com o encerramento da CCPY, parte de suas atividades foi assumida pelo Instituto Socioambiental (ISA), um importante parceiro da HAY hoje.

Consolidando o protagonismo indígena no enfrentamento da chamada “nova corrida do ouro” e das organizações criminosas a ela associada, a Hutukara tem o intuito de representar todos os Yanomami e os Ye´kwana que vivem na TIY, congregando diversidades linguísticas, culturais, históricas e autoidentificações que singularizam os subgrupos e as diferentes regiões. Posteriormente à criação da HAY, surgiram outras associações reunindo habitantes da TIY, em Roraima e Amazonas, como a Associação Wanasseduume Ye´kwana, a Kurikama, a Kumirayoma, a Taner, a Hwenama e, mais recentemente, a Urihi e a Ypasali.

A existência de diferentes organizações indígenas com uma referência geográfica regional, a extensão das questões que estas enfrentam e o desafio da representação política segundo padrões alheios a seus modos próprios de organização motivaram os diretores da HAY a realizarem uma reflexão sobre sua representatividade e função. Um dos resultados de tal reflexão foi o esforço de articulação das lideranças regionais e das diversas organizações da TIY no Fórum de Lideranças: um espaço de debates e decisões, reconhecido formalmente desde 2015, em que a HAY assume um papel propositivo.

Com sede em Boa Vista (RR), a HAY mantém ligação com as comunidades distribuídas pela floresta da TIY, recebendo suas demandas e fornecendo informações e respostas, através de uma rede de radiofonia, comunicações por telefone, cartas e redes sociais, ou por meio de reuniões. A Associação atua na defesa dos direitos indígenas, mobilizando lideranças e articulando a mediação junto à sociedade não indígena e aos órgãos públicos, e formalizando denúncias, por meio de ofícios e documentos. Seu papel mediador inclui acompanhar a implementação das políticas públicas voltadas aos povos indígenas, sobretudo referentes à saúde, educação e valorização cultural, e incentivar projetos voltados à melhoria da vida nas comunidades. A HAY organiza ainda fóruns de lideranças, assembleias gerais ordinárias e extraordinárias, encontros regionais que agregam Yanomami (e eventualmente porta-vozes de outros povos), representantes de órgãos do Estado e de entidades parceiras, para discutir problemas e demandas da população. São também organizadas oficinas para tratar questões específicas, como a elaboração do Plano de Gestão Territorial e Ambiental da TIY e do Protocolo de Consulta (entre 2015 e 2019), ou voltadas a segmentos da sociedade, como mulheres ou jovens.

A HAY se articula com outras forças do movimento indígena e com organizações indígenas (Conselho Indígena de Roraima, Articulação dos Povos Indígenas do Brasil, Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Rede de Cooperação Alternativa, entre outras) para objetivos políticos, possibilitando a participação de Yanomami em manifestações e encontros com representantes de órgãos públicos, em Boa Vista, Brasília e outros locais. A Associação estabelece também parcerias com instituições governamentais e não governamentais, e com organizações financiadoras, para a implementação de projetos direcionados à proteção territorial, à formação de professores, agentes indígenas de saúde, comunicadores entre outros, à geração de renda, e à valorização das línguas e culturas. Neste último âmbito, se destacam as pesquisas autoetnográficas e interculturais, resultantes em publicações didáticas e paradidáticas, o apoio a artistas e à produção de cinegrafistas yanomami, a participação em manifestações culturais e artísticas em universidades e centros culturais, nacionais e internacionais.

A Hutukara busca manter o equilíbrio sempre instável entre as práticas de gestão e as tendências de autonomia dos diversos grupos que recusam controle e centralização. O modo próprio de funcionamento desta organização, uma “ferramenta emprestada” do “mundo dos brancos”, implica atender obrigações morais e sociais que envolvem parentes e aliados, cujas demandas podem ser atendidas apenas parcialmente.

Como citar este verbete:
DALMONEGO, Corrado. 2023. "Hutukara Associação Yanomami". In: Enciclopédia de Antropologia. São Paulo: Universidade de São Paulo, Departamento de Antropologia. Disponível em: https://ea.fflch.usp.br/instituicoes/hutukara-associacao-yanomami

ISSN: 2676-038X (online)

Acesse aqui a versão em PDF ]

H
data de publicação
01/07/2023
autoria

Corrado Dalmonego

bibliografia

ALBERT, Bruce, “O ouro canibal e a queda do céu: uma crítica xamânica da economia política da natureza”, Série Antropologia, n. 174, Brasília, UNB, 1995, p. 1-33

ALBERT, Bruce, “Associações indígenas e desenvolvimento sustentável na Amazônia Brasileira” In: Carlos Alberto Ricardo (org.), Povos Indígenas no Brasil: 1996/2000, São Paulo, Instituto Socioambiental, 2000, p.197-203

ALBERT, Bruce & KOPENAWA, David, Yanomami, l'esprit de la forêt, Paris, Publication Fondation Cartier pour l’art contemporain, 2003 (Trad. Rosa Freire D'Aguiar, São Paulo, Companhia das Letras, 2023)

CARVALHO, Maria Auxiliadora Lima de, Os movimentos políticos Yanomami: análises da construção de suas demandas e reivindicações. Dissertação de mestrado. Boa Vista, Universidade Federal de Roraima (Programa de Pós-Graduação em Sociedade e Fronteira), 2015, 162 f.

KELLY, José Antonio, “Notas para uma teoria do ‘virar branco’”, Mana, Rio de Janeiro, v. 11, n. 1, 2005, p. 201-234

KELLY, José Antonio Luciani. “Os Encontros de Saberes: equívocos entre índios e Estado em torno das políticas de saúde indígena na Venezuela”, ILHA, Florianópolis (SC), UFSC, v. 11, n. 2, 2010, p. 265-302

KOPENAWA, Davi & ALBERT, Bruce, La chute du ciel. Paroles d´un chaman yanomami, Plon, Terre humaine, 2010 (Trad. Bras. Beatriz Perrone-Moisés. São Paulo, Companhia das Letras, 2015)

LUCIANO, Gersem dos Santos, O Índio Brasileiro: o que você precisa saber sobre os povos indígenas no Brasil de hoje, Brasília, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade; LACED/Museu Nacional, 2006

RAMOS, Alcida Rita; SENRA, Estevão Benfica & WESLEY, Marcos Oliveira (orgs.), Terra indígena Yanomami 30 anos: o futuro é indígena, São Paulo, Instituto Socioambiental, Hutukara Associação Yanomami, 2022

TOTTI, Brisa Catão. Os Yanomami, a Hutukara e os desafios de seu pacto político. Dissertação de mestrado. Florianópolis, Universidade Federal de Santa Catarina (PPGAS), 2013

VIEIRA, Marina A. R. de Mattos & LIMA, Lucas, P. das N. S. (orgs.), Plano de Gestão territorial e Ambiental – Terra Indígena Yanomami, Hutukara Associação Yanomami, 2019

Site: http://www.hutukara.org/